27 de abr de 2014

Aldeir Tôrres - Bastidores.

Copa Primo Fernandes cresce o número de equipes e aumenta desorganização e os deuses do futebol não perdoam.


A Copa Primo Fernandes, foi idealizada no ano de 2003, pelo coordenador de esportes do município de Major Sales, Beto, que levou a ideia para Dedezinho, posteriormente ganhou o aval do Dr. Pio X, o nome Primo Fernandes, é uma homenagem ao pai de Dr. Pio X.

A ideia inicial,  além da homenagem era a integração dos municípios de Luis Gomes e Major Sales, que a disputa seria pelos campeões e vices municipais do ano anterior. Já em 2006, acrescentaram mais quatro equipes que seriam os campeões e vices de Paraná e José da Penha, valorizando assim os campeonatos municipais dessas cidades, com a participação das equipes que chegavam a final do campeonato de seus respectivos municípios. Nos últimos anos com  o aumento de equipes e sem critérios para participação, a procura foi grande, com isso aumentaram os problemas e com eles a falta de organização, as comissões formadas não conseguiram crescer junto com a competição para evitar a desorganização.

Ao longo dos anos equipes deixaram de honrar com seus compromissos nas rodadas finais, citamos exemplo, o caso do América do oeste, faltando dois compromissos em Uiraúna e Venha Ver  na competição anterior e ainda provocando um enorme tumulto em seus domínios contra a equipe do Bom Sucesso do Estado da Paraíba, seguiu normalmente na copa, nunca foi punida, mesmo assim passou para segunda fase,  sendo eliminado pelo Brejo dos Santos/PB, nas semi-finais. Na ultima rodada deste ano, equipes do Encanto, 09 de Maio e outras, a exemplo de anos anteriores também não honraram seus compromissos, sem contar jogos que até o números de substituições foram superiores além dos permitidos e muitas outras falhas que continuam ocorrendo sem que a organização busque solucionar os impasses.

Com a desistência da equipe do Encanto, na ultima rodada sem duvidas que a equipe do São Vicente, foi severamente prejudicada, perdendo sua classificação apenas por um gol de saldo, sem contar que a equipe do Beira Rio jogou um primeiro tempo implacável chegando a fazer 3 x 0, mas segundo o blog da competição uma reação da equipe oestana chegou ao empate no segundo tempo,  não estive presente no jogo, mas fonte segura me confidenciou que alguns jogadores honraram a camisa e o nome de homem, acima de tudo de desportista, mas que alguns jogadores fizeram “corpo mole” vergonha no nosso futebol amador.

Se o Beira Rio facilitou ou não, o que deveria ser bem analisado pela organização da competição e as equipes que não honraram com seus compromissos, deveriam serem punidos.  Os Deuses do futebol, não perdoam.

A edição deste ano só não parou na Justiça comum por incompetência  dos jogadores da equipe do Paraná/RN, que não corresponderam  dentro do campo. Os representantes da equipe estavam com dois advogados para acionar  a Justiça comum e buscar os três pontos do primeiro jogo, diante da Associação de Caiçara, que escalou um atleta irregular, mas a Comissão de (in)Justiça da competição de maneira confusa declarou em sua decisão final, veja:
 
 Acatando as declarações do próprio atleta a Comissão de (in)Justiça, deixou de observar o regulamento da própria competição. Veja o que reza o artigo 49:

“Art. 49 - Os atletas participantes do campeonato serão identificados, pelo RG. (carteira de identidade) e os 03 (três) atletas que votam em outros municípios pelo RG. e pelo o Titulo de Eleitor”.


Conforme a comissão da competição as declarações do atleta foram suficientes para eliminar todos documentos oficiais; titulo de eleitor,  cartão do SUS, protocolo de atendimento de seus familiares é na cidade de José da Penha, apenas a Ficha de cadastro da família(Ficha A) feita pelo Agente de saúde na comunidade é de Paraná/RN e mesmo assim não consta o nome do jogador em questão, segundo a comissão o Paraná não apresentou documentos que o atleta mora em José da Penha/RN. Não interessa a equipe do Paraná onde o atleta mora, os documentos apresentados mostram que ele não tem nenhum vinculo com o município de Paraná. Não caberia provar que ele mora em “José da Penha ou em qualquer outro lugar”.


A equipe de Caiçara, estava tão certo sobre o parecer final da comissão, que mesmo o jogador estando sub judice foi escalado no jogo seguinte, antes da decisão final.

Toda essa desorganização muitas vezes foram publicadas pelo Aldeir Torres http://eclickesporte.blogspot.com.br/ em seu blog, mas os organizadores da competição preferem ignora-lo.


Os Deuses do futebol não perdoam.

A equipe de Caiçara usou de todas as formas para avançar na competição, venceu o Lastro na Paraíba por 1 x 0, com um jogador irregular, mas sofreu uma goleada de 4 x 0  em seus domínios pelo próprio Lastro/PB.

A equipe do São Bernardo não perdeu seu mando de campo, após um jogo não chegar ao seu final, foi interrompido por falta de segurança, como os Deuses não perdoam, em casa sofreu uma humilhante goleada por 10 x 02, para equipe do Tanques.

Então, fiquem atentos, os Deuses não perdoam!!! 

Não vou entrar em mais uma discussão em relação a organização, as ameaças da competição ser acionada na Justiça comum este ano, não foi descartada, só lembrando que, segundo o http://pt.wikipedia.org/ , veja o que significa Confronto direto:

"Quando dois competidores possuem o mesmo número de pontos, e igualdade nos demais critérios que o regulamento coloca como prioritários, qualifica-se o competidor que houver vencido a única partida disputada entre os dois durante o torneio, ou que tenha obtido vantagem de pontos ou de saldo na soma das partidas disputadas entre os dois durante o torneio."
Fonte - Nosso paraná RN

Nenhum comentário:

Postar um comentário