1 de nov de 2013

Aldeir Tôrres - Mundial no Brasil

CBF vai bancar excursão de luxo à Bahia para os seus eleitores


O sorteio dos grupos da Copa do Mundo de 2014 vai chamar a atenção do mundo do futebol para a Bahia no dia 6 dezembro. Representantes das 32 seleções vão se reunir para conhecer seus adversários, as datas dos jogos e as cidades das partidas durante o torneio no Brasil.

Em meio a tanta badalação, a CBF (Confederação Brasileira de Futebol) vai usar o evento para agradar os presidentes das 27 federações estaduais, que são maioria no colégio eleitoral da entidade.

Quatro meses antes de escolherem o substituto do atual presidente da CBF, José Maria Marin, os cartolas vão assistir ao sorteio na Costa do Sauípe com tudo bancado pela confederação.

Há cerca de uma semana, a diretoria da entidade convidou os cartolas para uma excursão de luxo no complexo hoteleiro próximo de Salvador, com direito a assentos privilegiados na cerimônia da Fifa, que organiza a Copa.

Pela programação da CBF, os dirigentes poderão ficar por quatro dias num dos mais sofisticados pontos turísticos da Bahia. Eles ainda terão direito a levar um acompanhante ao evento, que a Fifa estima transmitir para cerca de 500 milhões de pessoas em todo o planeta.

A cerimônia acontecerá 11 dias depois de o presidente da Federação Paulista de Futebol, Marco Polo Del Nero, ter sua candidatura lançada oficialmente por Marin.

A Folha revelou quarta-feira que a festa de fim de ano da CBF servirá de palco para o lançamento da candidatura do dirigente paulista. Todos os 47 eleitores já foram convidados.

A eleição da entidade será realizada em abril. No pequeno colégio eleitoral da CBF, apenas os 27 presidentes de federações e os 20 clubes que disputam a Séria A do Campeonato Brasileiro deste ano têm direito a voto.

O custo da estada dos cartolas na Costa do Sauípe deve superar R$ 500 mil.


Além dos convites para festas e viagens, os cartolas das federações estaduais são bem tratados financeiramente por Marin desde o início do seu mandato, que começou em março de 2012 após Ricardo Teixeira renunciar.

No seu primeiro ano, ele abriu os cofres da confederação e repassou oficialmente R$ 27 milhões para as federações. O valor é 62,79% superior ao enviado por Teixeira aos mesmos cartolas em 2011.

A participação dos representantes das federações estaduais no sorteio é uma forma de o presidente da CBF exibir o seu prestígio político e ajudar a campanha de Del Nero, também vice da CBF.

Para conseguir que a candidatura de seu candidato seja viabilizada, Marin precisa do apoio de sete federações e cinco clubes, o que não será difícil. Além de comandar a CBF, ele preside o COL (Comitê Organizador Local da Copa do Mundo).

A oposição ainda não definiu seu candidato. Andrés Sanchez, ex-presidente do Corinthians, e Francisco Novelletto, presidente da Federação Gaúcha de Futebol, são os mais cotados.

Nenhum comentário:

Postar um comentário