1 de jun de 2013

Paulo Henrique

Técnico pai pode rebaixar o filho, treinador rival, na Série B do Carioca
Na história real ou na ficção, a felicidade de um filho, quase que invariavelmente, é a satisfação do pai. Em uma relação muito mais tranquila do que, por exemplo, entre os músicos Gonzaga e Gonzaguinha, ou dos personagens Luke Skywalker e Darth Vader, em Guerra nas Estrelas, o futebol será responsável por colocar frente a frente mais uma vez mestre e aluno.

 A partida entre Serra Macaense e América de Três Rios, neste sábado, no Estádio Antonio Carneiro, em Quissamã, válida pela oitava e penúltima rodada do grupo A na Taça Corcovado, segundo turno da Série B do Carioca, pode contribuir para que o técnico pai rebaixe o técnico filho no estadual. Em caso de vitória do America-TR e vitória do Mesquita, o Serra entra de vez na zona da degola, e não dependerá só de si na última rodada.

 Paulo Henrique é atualmente treinador do América de Três Rios. Inspirado pelo pai, Paulo Henrique Filho também seguiu a carreira de técnico e hoje dirige a equipe do Serra Macaense. Agora, os dois clubes duelam em situações diferentes. Pela primeira vez para ambos, a alegria de um, inexoravelmente, será a tristeza do outro.

Além de fazer o dever de casa, que é superar o América-TR, o treinador da equipe alviverde torce para um tropeço do Mesquita diante do Barra da Tijuca, o que afastaria qualquer chance de rebaixamento no Carioca.

 - É uma sensação que nós nunca provamos. Será a primeira vez que isso acontece com a gente. O América de Três Rios está um pouco mais confortável longe da degola, mas as chances de classificação são pequenas. Eu não gosto de perder nem campeonato de cuspe, quanto mais uma partida de futebol. Nós já conversamos sobre a partida - disse o pai, Paulo Henrique.

Ao contrário do clube rubro, que está na décima primeira posição na classificação geral, o Serra Macaense convive com o fantasma do rebaixamento. A equipe de Paulo Henrique Filho está na décima sexta colocação com 14 pontos, apenas um ponto na frente do Mesquita, primeiro colocado dentro da zona da degola.

- Não gosto muito de falar sobre a partida, até para não criar expectativas. Acredito que seja um fato inédito no futebol carioca, mas isso fica fora de campo. Alguns familiares estão até apostando, mas eu acredito que a maioria deles acha que vai dar empate. Será mesmo o Serra Macaense enfrentando o América de Três Rios, nada mais - disse Paulo Henrique Filho, técnico do Serra Macaense.

 Pai provoca, e filho rasga elogios
Na década de 60, Paulo Henrique atuou como lateral-esquerdo do Flamengo, onde conquistou o Campeonato Carioca de 1963, 1965 e 1972, além de um Torneio Rio-São Paulo em 1961 e uma Taça Guanabara em 1970. Décadas mais tarde, em 2011, Paulo Henrique Filho também escreveu o nome na história do clube carioca quando conquistou a Copa São Paulo comandando os juniores da equipe rubro-negra. Ao falar do pai, Paulo elogiou o trabalho que vem sendo feito na equipe da cidade de Três Rios.

- O trabalho que o meu pai vem fazendo lá tem sido ótimo, assim como nos outros clubes pelos quais ele passou. Nós sempre trabalhamos juntos, mas acabei indo para o Flamengo no ano passado, e nós nos separamos. A campanha dele na competição é boa, e o time tem bastante qualidade - afirmou Paulo Henrique Filho.

A relação saudável entre pai e filho também é movida por um pouco de provocação. No papo entre os dois, em meio aos elogios também teve espaço para algumas alfinetadas "carinhosas".

- Ele disse que vai me ganhar, e eu disse que vou ganhar ele. Mas isso não depende de nós, vai depender dos jogadores dentro de campo. Nós vamos para ganhar, isso eu tenho certeza - deixou claro o pai.

O duelo entre América de Três Rios e Serra Macaense acontece neste sábado, às 15h, no Estádio Antonio Carneiro, em Quissamã, no Norte Fluminense.

Nenhum comentário:

Postar um comentário