3 de mai. de 2013

Aldeir Tôrres

A mesma praça, os mesmos times: outro jogo

Parece o mesmo jogo, mas não é. São Paulo e Atlético de hoje pode ter o mesmo resultado, mas em nada tende a se assemelhar à partida de 15 dias. O São Paulo tem Jadson, melhor jogador do time ao lado de Osvaldo. O Atlético volta a ter pontas. Tardelli e Bernard voltam ao time. Pontos importantes. Mais do que isso, a postura deve mudar. De um lado pelo menos.

A frase mal formulada de Ronaldinho, que era preciso se divertir mais, deu o tom para o que foi o Atlético no Morumbi. Um time que oscilou entre o tenso e o relaxado demais e nunca foi intenso como normalmente é – especialmente em sua casa, diga-se. Não serviu de combustível para o São Paulo, que nem precisava daquilo. A vontade e força mental do time do Morumbi, para insistir em todas as jogadas até o final deu o tom da vitória.

O São Paulo não fez um jogo perfeito para vencer o melhor time da Libertadores. Tentou o máximo que pôde, teve dificuldades para criar, mas bateu tanto na porta que a arrombou. Aí entra…. quem esteve fora. Jadson pode fazer o jogo fluir melhor que Douglas. O time ganha criação e pode “abrir a lata” com mais facilidade.

Do outro lado, com Tardelli e Bernard o Atlético tem condições de marcar a frente, atrapalhar a saída de bola tranquila e ainda tem a bola em velocidade pelos lados. E isso é fundamental no esquema de Cuca. No primeiro jogo, Ronaldinho lançava Jô e Alecsandro. A bola batia e voltava. O Atlético pode ter não só a postura, mas mais armas que possuía há duas semanas. E é exatamente por isso que o jogo é outro.

Mesmo que não renda o mesmo que consegue no Independência, não acredito que o Atlético jogue tão mal como foi. O São Paulo vai precisar mostrar mais do que aquela vontade de duas semanas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário