21 de fev de 2013

Pelé já caminha e adverte:

"Não é isso que esperamos do Neymar"
Édson Arantes do Nascimento, esta lenda vida chamada Pelé, passou três meses praticamente recluso, salvo algumas aparições muito rápidas e sem alarde da imprensa.

Como o mundo o via na mídia o tempo inteiro, sempre precedido de divulgação farta antes, durante e depois de cada evento, bateu o medo: o que estaria acontecendo com o Rei?

A cirurgia no quadril, para a retirada de parte do fêmur, era conhecida. Mas a gente se acostumou de tal maneira a ver os gols de Pelé a todo instante nas mais diversas plataformas que por vezes esquecemos que a sua imortalidade é apenas um desejo nosso.

Como seria bom se Pelé vivesse para frente, aliás. Quer dizer: no coração de cada brasileiro que nascer até o Juízo Final, e também em milhões de torcedores no mundo todo, ele jamais morrerá. Mas Pelé é um senhor de 72 anos, então veio aquela apreensão com a saúde do Rei.

A recuperação está adiantada, conforme o próprio Atleta do Século revelou em entrevista ao jornal Estado de S. Paulo. Até pulou etapas, como na carreira genial. Se em 1958 desafiou a lógica ao conduzir o Brasil ao primeiro título mundial aos 17 anos, repete a dose a caminho dos 80.

Após a cirurgia, deveria passar por uma readaptação até caminhar novamente. Primeiro, andador. Depois muletas e, por fim, bengala. Claro que Pelé saltou direto para as bengalas. Pretende retomar suas atividades normais, caminhando normalmente, em três meses. Para a Copa, estará 100%, ainda que vá rediscutir com a presidente Dilma Rousseff suas funções de representação. Não poderá, por exemplo, receber cada delegação no aeroporto, como chegou a ser cogitado.

- Estou bem. Fiz algumas aparições também, teve a conversa com o (Roger) Federer e o (Joseph) Blatter, com repercussão internacional. Estive no Santos, de bengala, mas estive. Teve ainda um comercial que fiz com o Neymar para o sócio-torcedor do Santos. Nós também íamos inaugurar no Maracanã um busto do Pelé, mas atrasou e quando ficar pronto vou sem bengala.

Além de acalmar o país quanto a sua saúde, considera a Seleção favorita para a vencer a Copa. Mas, como um pai zeloso, mostra preocupação com Neymar:

- Não é isso o que esperamos do Neymar, principalmente nós do Santos. Temos uma confiança danada nele. Mas ele é um jogador comum na seleção. Tudo é visando o Neymar. Ele é um jogador sem experiência internacional. É um excelente jogador, mas sem experiência lá fora. Em todos os jogos fora do País ele não vai bem. Todos acham que ele tem de resolver os problemas da seleção. Neymar não está preparado para receber esse peso. Não vai dar para ele. Neymar não está preparado para isso. Ele não joga no exterior, o futebol europeu é diferente do futebol latino. Nós do Santos falamos que ele é o melhor do mundo, claro. Mas ele já se preocupa mais em aparecer na mídia do que em jogar para o time. O Neymar tem muita responsabilidade. E sua preocupação é mudar o estilo, mudar o corte de cabelo. O Edinho, meu filho, que está na comissão do Santos, faz os treinos do time. Ele não dá falta nos treinos e o Neymar fica bravo. Ele está viciado nas faltas.

O Santos está perdendo com ele em campo. É chato eu falar isso, mas cobrei o Muricy. É uma coisa boba, mas a gente que é do futebol percebe. Todas as faltas, escanteios, pênaltis é com o Neymar. Cada falta que ele bate, fica fora do jogo 1 minuto. Ele tem de ficar na cabeça da área para pegar a bola, dar um drible, usar a habilidade. Ele cruza, corre lá depois e perde tempo. Quem não está atento, não vê isso. Mas ele fica fora de jogo um monte de vezes. São detalhes que influenciam. Antes da cirurgia eu falei com o Muricy. Mas a responsabilidade do Muricy é gpara o time.rande. E é difícil bater de frente com o Neymar. O Neymar tem de largar mais a bola, jogar. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário