27 de fev de 2013

América-RN

'Aquele Max morreu', diz atacante que será julgado por uso de cocaína

A dois dias do julgamento que pode reduzir a sua suspensão de dois anos dos gramados, o atacante Max voltou a falar sobre o uso de cocaína durante a Série B do Campeonato Brasileiro de 2012 e o tempo que já está sem jogar. Autor dos gols que deram ao América-RN dois acessos no Campeonato Brasileiro, em 2006 e 2011, o centroavante espera retomar as atividades profissionais o quanto antes e diz não ver a hora de voltar a vestir a camisa alvirrubra.

Em entrevista, Max afirmou ter adquirido muita experiência durante esses cinco meses longe dos campos de futebol. O atacante diz que agora é um "servo do Senhor", e um atleta mais responsável e que valoriza muito mais as coisas que antes considerava banais. Segundo ele, "o velho Max morreu".

- Aquele Max morreu. O novo é diferente, e muito mais responsável. Adquiri muita experiência durante esse tempo. Aprendi a valorizar cada momento dentro de campo e nos treinos. Espero levar isso para dentro de campo e ajudar os meus companheiros com essa experiência - falou.
Ainda de acordo com Max, é muito triste e angustiante não poder fazer o que mais gosta. Ele se diz arrependido de ter usado drogas e faz planos para o retorno ao time do América.

- É triste ficar sem jogar. Tenho muita vontade de estar dentro do campo, mas infelizmente não posso. Mas estou trabalhando e na torcida pela redução da pena. Quero voltar a vestir a camisa do América e ajudar os companheiros. Espero voltar logo, e de preferência marcando gols - declarou.

Sobre o julgamento do recurso para a redução da pena, nesta quinta-feira, na sede do Supremo Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), no Rio de Janeiro, Max se mostrou confiante e bastante otimista. Ele acredita que terá a pena reduzida, e treina forte para estar 100% quando puder entrar em campo outra vez.

- Eu acredito que a pena será reduzida, porque eu acredito muito em Deus e tenho a certeza de que ele vai me abençoar. O departamento jurídico do América vai fazer o possível para que eu seja absolvido. Tenho uma rotina normal, treino forte, e procuro sempre chegar um pouco mais cedo para aprimorar algumas coisas. Deus está me fortalecendo a cada dia. Espero que o julgamento seja favorável a mim e eu possa voltar a jogar o mais rápido possível - lembrou.

Para finalizar, Max revelou o sonho de jogar na Europa. Segundo ele, o velho continente é o centro do futebol no planeta, e atuar por lá é um desejo antigo. Mas antes ele espera "pagar a dívida" que tem com o América, e "agradecer" dentro das quatro linhas todo o apoio que recebeu no momento mais delicado da sua carreira.

- Sonho em jogar na Europa, mas antes disso eu quero gravar o meu nome na história do América. Desta vez de uma forma limpa - concluiu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário